TransformAÇÕES:possibilidades para a mudança conceitual no ensino e na aprendizagem da química

Bárbara Gonçalves Fenille Velasco, Daniela Rodrigues da Silva

Resumo


Este trabalho propõe planejar e analisar, de forma processual, aspectos da aprendizagem e do ensino de conceitos fundamentais da química, com o objetivo de indicar possíveis alternativas para os problemas que ocorrem no ensino tradicional, mais especificamente, no primeiro ano do ensino médio. Para tanto, foi organizada uma Proposta de Ensino e Aprendizagem (PEA), composta por atividades planejadas para o contexto da sala de aula na disciplina de química, fundamentada em três pressupostos principais: o estudo de dois núcleos conceituais fundamentais para a aprendizagem dos conceitos da química (a compreensão da matéria como algo descontínuo e a conservação de propriedades não observáveis); a utilização de distintos níveis representacionais (macroscópico, simbólico e submicroscópico); e a proposição de estratégias metodológicas em que o estudante participa ativamente da construção de conhecimentos. Desse modo, a presente investigação constitui-se como uma pesquisa qualitativa, por meio de um estudo de caso, com a utilização da análise de conteúdos para o tratamento dos resultados obtidos. A PEA está em desenvolvimento com uma turma de primeiro ano do Ensino Médio Técnico do IFRS – Campus Canoas, composta por 32 estudantes, na disciplina de química, no período regular das aulas, no período letivo de 2017. Dentre as estratégias: a) um pré-teste, respondido pelos estudantes no primeiro dia de aula b) um pós-teste que será oportunizado no final do ano, ambos organizados com questões sobre os conceitos a serem abordados pela PEA. Concomitantemente, respeitando a ementa da disciplina de química, foram propostas atividades para conhecer as teorias implícitas dos estudantes e problematizá-las, seguindo os pressupostos da PEA. Por se tratar de um projeto que está em execução, neste trabalho serão apresentados resultados parciais, com as mudanças conceituais realizadas pelos estudantes no que tange o primeiro núcleo conceitual. A partir da análise de conteúdo, foram formadas categorias que mostram as ideias dos estudantes ao longo do processo, tanto na proposição de explicações individuais e em grupo. Percebeu-se que, ao iniciarem os estudos na disciplina de química, mais de 80% dos estudantes não utilizavam o modelo corpuscular da matéria, e elaboravam explicações pautadas apenas no nível representacional macroscópico. Com a introdução dos estudos da química, fundamentados no primeiro núcleo conceitual, novas categorias foram evidenciadas nas elucidações explicitadas pelo grupo de estudantes, categorias estas que apresentam distintos níveis de compreensão a respeito dos fenômenos em estudo, com a utilização de modelos que consideram a matéria como algo descontínuo, os espaços vazios entre as partículas e a movimentação das mesmas. Também foi possível verificar algumas confusões conceituais nas ideias elaboradas por alguns estudantes, dados importantíssimos para o planejamento das atividades seguintes de modo a oportunizar novos momentos de reflexão e reconstrução de conhecimentos por parte do grupo.

Palavras-chave


Ensino médio; Aprendizagem; Química

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ENPEX - Salão de Ensino, Pesquisa e Extensão do IFRS Campus Canoas - ISSN 2359-3202

IFRS campus Canoas - Rua Dra. Maria Zélia Carneiro de Figueiredo, 870-A | Bairro Igara III | Canoas/RS.

Conheça nossos cursos técnicos e graduação: http://ifrs.edu.br/canoas | E-mail: enpex@canoas.ifrs.edu.br