Práticas de coaching alinhadas à Gestão de Pessoas

Milena Oliveira Feijó

Resumo


O setor de Gestão de Pessoas aperfeiçoa-se ao longo do tempo a partir das mudanças sociais, econômicas e políticas do seu entorno. A partir da década de 1990, novas formas de gerenciamento do capital humano vêm buscando a motivação e o engajamento dos colaboradores como objetivos estratégicos das organizações para melhorar a competitividade e a retenção de talentos. O coaching tornou-se umas das ferramentas usadas para alinhar tais objetivos à gestão de pessoas de empresas de grande porte, visto que fornece meios para a integração da vida pessoal com a profissional através de aspectos motivacionais, de forma a alavancar o desempenho organizacional. Tal prática, por outro lado, vem sendo utilizada por uma empresa de pequeno porte pertencente ao ramo de serviços de beleza que tem apresentado um baixo índice de turnover, incomum para o setor. A partir disso, o presente estudo busca analisar como a prática de coaching pode auxiliar a gestão de pessoas de um salão de beleza. Os objetivos formulados para o alcance desta análise compreendem: descrever as práticas de gestão de pessoas usadas pela organização, através de entrevista com os dois gestores responsáveis; identificar a percepção do quadro de funcionários sobre as técnicas de coaching desenvolvidas através da aplicação de questionário fechado e da observação não participante nos encontros mensais, realizados pelos gestores, em que são feitas dinâmicas motivacionais com os funcionários e; verificar os índices de turnover da organização de 2012 aos dias atuais, a partir da análise documental dos documentos de contratação e desligamento deste período. Sendo o coaching objeto de constante discussão, tanto na esfera empresarial como acadêmica, espera-se que o presente estudo seja capaz de fomentar o debate sobre práticas de gestão de pessoas mais humanas e alinhadas às realidades pessoais, notadamente nas micro e pequenas empresas que, de forma geral, não fazem uso de técnicas motivacionais. A estrutura do estudo baseou-se na metodologia de estudo de caso único, do tipo descritivo com os paradigmas quali e quantitativo e coleta de informações para a triangulação de dados. Com a análise dos dados, espera-se obter informações capazes de relacionar as técnicas coaching em uma empresa de pequeno porte com suas baixas taxas de rotatividade.

Palavras-chave


Gestão de pessoas; Coaching; Turnover

Referências


ANDRADE, M. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

BARBOSA, A. Relações de Trabalho e Recursos Humanos em Busca de Identidade. RAE: revista de administração de organizações, Minas Gerais, v. 45, Edição Especial, set/dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. ed. rev. e atual. Lisboa: Edições 70, 2005.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política social: fundamentos e história. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BOMFIGLIO, E. O coaching para a retenção de talentos. In: ROBERTO, M. Coaching: desenvolvendo pessoas e acelerando resultados. Goiânia: Editora IBC, 2014.

CAMPOS, T.; STOROPOLI, J. Aplicação de coaching em organizaçãos: um meta estudo sobre e evolução das pesquisas em um periódico internacional especializado. RAD: revista de administração e diálogo, São Paulo, v. 17, n. 02, maio/ago. 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/rad/article/viewFile/16307/17422. Acesso em: 02 ago. 2017.

CAMPOS, T.; PINTO, H. Coaching nas organizações: uma revisão bibliográfica. REUNA, Belo Horizonte, v. 17, n. 02, abri/jun. 2012. Disponível em: http://revistas.una.br/index.php/reuna/article/view/439/482. Acesso em: 10 ago. 2017.

CARAVANTES, R.; CARAVANTES, C.; KLOECKENER, M. Administração: teorias e processos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

COSTA, E. S. Gestão de Pessoas. Curitiba: Editora do Livro Técnico, 2010.

DESSLER. G. Administração de recursos humanos. 3. ed. São Paulo: Person Education do Brasil, 2014.

DIAS, C. G.; LOPES F. T.; DALLA W. D. Evolução dos recursos humanos nas organizações? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens. In: ENCONTRO DA ANPAD, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2017.

FERNANDES, A.; COSTA, C. Aplicação das teorias de motivação, relação humana e administração clássica em postos de gasolina na cidade de Arapiraca–Alagoas. In: Simpósio de excelência em gestão e tecnologia, 7., 2010.

FISCHER, R. M. Pondo os Pingos nos Is, sobre relações do trabalho e políticas de administração de Recursos Humanos. In: FLEURY, M. T.; FISCHER, R. M. Processos relações do trabalho no Brasil. São Paulo: Atlas, 1987. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

FLEURY, M. Relações de trabalho e políticas de gestão: uma história das questões atuais. Revista de administração, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 5-15, out/dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

GRIFFIN, R.W. Introdução à administração. São Paulo: Ática, 2007.

INTERNATIONAL COACH FEDERATION. Global coach study. São Paulo, 2012. Disponível em: Acesso em: 02 ago. 2017.

KLEIN, A.; SILVA. L.; MACHADO. L.; AZEVEDO. D. Metodologia de pesquisa em administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2015.

LACOMBE, F. Recursos Humanos: princípios e tendências. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

LEBORGNE, D.; LIPIETZ, A. Flexibilidade defensiva ou flexibilidade ofensiva: os desafios da nova tecnologia e competição mundial. In: VALLADARES L.; PRETECEILLE E. (org.) Restruturação urbana: tendências e desafios. São Paulo: Nobel, 1990.

MARRAS, J. P. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

MARRAS, J. P. Capital-trabalho: o desafio da gestão estratégica de pessoas no século XXI. São Paulo: Futura, 2008. p. 23-39.

MATTA, V. Saiba qual é o cenário atual do mercado de coaching no Brasil e no mundo. Sociedade brasileira de coaching, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2017.

MELO, L.; BASTOS, A.; BIZARRIA, F. Coaching como processo inovador no desenvolvimento de pessoas nas organizações. RCCE: Revista capital científico eletrônica, Paraná, v. 13. n. 02, abri/jun. 2015. Disponível em: http://revistas.unicentro.br/index.php/capitalcientifico/article/view/3124/273/4. Acessado em: 10 ago. 2017.

MOTTA, F. VASCONCELOS, I. Teoria geral da administração. 3 ed. São Paulo: Cengage Learnig, 2010.

OBSERVATÓRIO SEBRAE. Rotatividade no emprego em pequenos negócios. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/RJ/Anexos/39%20-%20Produtividade%20nos%20Pequenos%20Neg%C3%B3cios%20no%20Estado%20do%20Rio%20de%20Janeiro.pdf. Acesso em: 05 ago. 2017.

OLIVEIRA, A. O processo de coaching executivo e organizaçãorial. In: ROBERTO, M. Coaching: desenvolvendo pessoas e acelerando resultados. Goiânia: Editora IBC, 2014.

PENIDO, C. O lider-coach e sua efetividade no processo de aprendizagem comportamental. Revista Gestão.Org, v. 13, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.revistas.unifacs.br/index.php/rgb/article/download/908/733. Acesso em: 12 ago. 2017.

QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L. O;. OLIVEIRA, M. G.. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002. p. 10.

RAMOS, F. JANUÁRIO, S. S. Gestão de pessoas: uma abordagem epistemológica. Revista Mal-Estar Subjetividade, Fortaleza, v. 13 n. 1-2, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2017.

SCANDELAI, A. L. O. A precarização do trabalho: da revolução industrial ao neoliberalismo. Colloquium Humanarum, São Paulo, v. 7, n. 1, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2017.

SCHEIN, E. H. Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas, 2009.

SEBRAE. Os negócios promissores em 2015. Brasília, DF, 2014. Disponível em: Acesso em 23 maio 2017.

SOUZA, W. J.; OLIVEIRA, M. D. Fundamentos da gestão social na revolução industrial: leitura e crítica aos ideais de Robert Owen. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 13, n. 39, 2006. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017.

TOSE, M. G. L.S. A evolução da gestão de recursos humanos no Brasil. 127 f. il. Dissertação (Mestrado em Administração), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997. Disponível em: Acesso em: 13 jun. 2017.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ENPEX - Salão de Ensino, Pesquisa e Extensão do IFRS Campus Canoas - ISSN 2359-3202

IFRS campus Canoas - Rua Dra. Maria Zélia Carneiro de Figueiredo, 870-A | Bairro Igara III | Canoas/RS.

Conheça nossos cursos técnicos e graduação: http://ifrs.edu.br/canoas | E-mail: enpex@canoas.ifrs.edu.br